Arquivo do autor:Leonardo Miranda

Sobre Leonardo Miranda

Professor de geografia, graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em geografia humana na mesma instituição. Professor de cursos preparatórios, Enem, concursos em geral.

09
ago

O “cemitério” de imigrantes

Captura de Tela 2015-08-08 às 23.27.45

No último dia 19 de abril o mar Mediterrâneo foi palco de mais uma tragédia envolvendo migrantes que partiram do Norte da África rumo a ilha de Malta, Lampedusa e Scilia, essas duas últimas territórios italianos.

Embarcações em condições péssimas de navegabilidade, em sua maioria, usadas por pescadores na costa norte e oeste africana, cruzam o Mediterrâneo quase todos os dias transportando migrantes clandestinos rumo a uma Europa idealizada como a única saída de uma vida repleta de dificuldades, principalmente econômicas.

23
jul

Crise Grega?

GRECIA 2

Nos últimos meses os noticiários mundo afora concentraram atenção nos desdobramentos da crise econômica que se intensificou na Grécia, país berço da democracia, de renomados filósofos e belíssimas paisagens. Localizada no Sul da Europa, a península grega vive um cenário econômico assustador. Para se ter uma ideia do tamanho do problema, a dívida pública chegou a 164,3% do Produto Interno Bruto do país (PIB), enquanto a taxa de desemprego atingiu a casa de 27,3%.

14
jun

Cinegeo!

omenino

Por Daniela Matos Rezende, colaboradora do Mundo Geográfico.

Em meio a um mundo de cadernos e livros é sempre bom incrementar os estudos com um pouco de cinema. Mas hoje o filme indicado não será de origem hollywoodiana e muito menos futurística. Hoje é dia de mostrar que a geografia é a matéria que ajuda a entender o mundo com toda a sua complexidade e mais que isso, também pode ser demonstrada aos olhos de uma criança.

O filme de que falo é  “O menino e o mundo”, uma animação brasileira dirigida por Alê Abreu e vencedora do Prêmio Cristal de melhor longa metragem na França. Diversos temas que são sempre protagonistas da prova do ENEM e de outros vestibulares são abordados pelo longa. Sem falas, legendas e com uma estética extremamente infantil ele pode ser o impulso que você precisa nos estudos de ciências humanas.