Arquivos da categoria: Geografia Física

21
ago

Queimadas na Região Amazônica e a escuridão em SP – Qual a relação?

Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo. São Paulo, às 16h 19/08/2019

Além da frente fria, a escuridão que chegou no dia 19/08/2019 no meio da tarde em SP, também é causada pela fumaça de queimadas na região amazônica, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Reprodução via Twitter

“O material particulado, oriundo da fumaça produzida por esses incêndios silvestres de grande porte que estão acontecendo na Bolívia, conjugado com o ar frio e úmido que está no litoral de São Paulo, causou a escuridão”, diz Franco Vilela, meteorologista do Inmet.

12
jul

Terremotos ocultos sacodem a Antártida e não percebemos

Em meados de 1982, um grupo de cientistas confirmou o primeiro terremoto na Antártida, mas não seria o último. Centenas de tremores ocultos podem estar enterrados sob o gelo da Antártida, aponta um novo estudo.

Com o passar das décadas, os pesquisadores detectam mais oito eventos sísmicos na Antártida Oriental. E lá, um inferno: os sensores captaram 27 terremotos só em 2009, triplicando o número total de eventos sísmicos registrado em apenas um ano.

Mas não foi a catástrofe planetária ou a ira divina por trás dos tremores de terra nunca antes registrados por aquelas bandas – foi apenas o método científico em ação.

04
jul

Ações para cuidar de um planeta asfixiado pelo plástico

Reduzir o uso desse material se tornou o principal desafio ambiental ao lado mudança climática. Consumidores, instituições e empresas começam a tomar medidas

Artigo publicado no site EL PAIS

O cachalote achado em uma praia em Múrcia (sudeste da Espanha) em fevereiro estava morto havia 15 dias. Foi no cabo de Palos, perto do farol. Nas fotos feitas pelas equipes de resgate, o animal aparece na beira do mar, sozinho, enorme, deslocado. Um trator rebocou-o para terra. Foi medido e pesado. Seus 6.520 quilos foram levados a um armazém. Dez metros de mamífero inerte ficaram no chão. Uma equipe do Centro El Valle de Recuperação da Fauna Silvestre realizou a necropsia. Colocaram-no de lado e começaram a cortar. Usaram serras, facas e machados. Naquele estado de decomposição, explica Fernando Escribano, um dos veterinários que participaram da operação, não esperavam averiguar grande coisa. A ideia era obter amostras de seus órgãos para analisá-las. Mas enquanto avançavam através da carne e da gordura, posicionados praticamente dentro do animal, descobriram que todo o aparelho digestivo, dos estômagos ao reto, estava cheio de plástico. Tiraram de seu interior 29 quilos de sacos plásticos e de ráfia, cordas, um pedaço de rede, uma bolsa de praia e uma lata. Limparam e classificaram o material. Ao terminar, tinham uma causa mortis clara, a roupa empesteada com o cheiro de gordura rançosa e uma persistente sensação de tristeza.

10
maio

Fissura gigante “rasga” a Nova Zelândia

A paisagem da Nova Zelândia é conhecida por nos tirar o fôlego, mas pelo visto não fica por aí. Uma gigantesca fissura está agora “rasgando” essa paisagem.

Uma fissura com mais de 200 metros de comprimento e 20 metros de profundidade – o suficiente para engolir um prédio de seis andares – se formou do dia para a noite e mudou radicalmente o dia a dia de uma fazenda nas proximidades de Rotorua, no norte do país.