28
jan

Uruguai: da simplicidade à riqueza

paises-uruguai-bandeira-618

Fala, galera!!

Depois de um tempo distante das atividades, estou de volta! Aproveito para parabenizar todos os aprovados no Enem/Sisu 2014/2015! Aos que bateram na trave, estamos juntos em 2015, com muita garra e estudo chegaremos lá também!

Entre os dias 03 e 14 de janeiro visitei o Uruguai, nosso pequeno vizinho em área e população, mas com uma cultura, pessoas e paisagens fantásticas! Por isso gostaria de registrar algumas das minhas impressões.

Desde 2010 o Uruguai é governado por José (ou Pepé) Mujica, presidente que deu o que falar após decisões polêmicas como a legalização do consumo de cannabis sativa (vulgo, maconha) pelos uruguaios (não residentes não tem a mesma autorização, sob a alegação de contenção do tráfico. Outra decisão que chamou a atenção do mundo pelo pioneirismo foi a legalização do casamento homo-afetivo, primeiro país a fazê-lo na América do Sul.

Por outro lado, Mujica também ficou conhecido mundialmente pelo seu estilo de vida simples, abdicando da vida no palácio presidencial, de carros modernos com motoristas, e principalmente, de boa parte do seu salário, aproximadamente R$ 28 mil , que é repassado quase integralmente à instituições de caridade.2015-01-05 11.26.05

O lado progressista uruguaio fica evidente ao andar pelas ruas da capital Montevidéu, uma cidade linda, as margens do rio da Prata, que pertence a segunda maior bacia hidrográfica da América, formada pelo encontro de três rios que nascem no Brasil: Paraná, Uruguai, e Paraguai. As margens do rio fica uma grande avenida (ou ramblá), a principal da cidade. Resolvi caminhar por ela ao anoitecer, que em virtude da latitude mais elevada, do Solstício de Verão e do Horário de Verão, ocorria por volta de 21h e 20 min!

Cópia de 2015-01-05 09.34.09 O que chamou minha atenção foi a grande quantidade de pessoas sentadas em um longo calçadão (na orla há largos bancos), que conversavam, tocavam violão, riam, brincavam, munidos sempre do Chimarrão. Nada de pessoas aos celulares, nada de selfies, apenas pessoas que curtiam um momento diante da bela paisagem do rio da Prata.

2015-01-04 15.13.41

Em conversa com taxistas, pessoas na rua, percebi o quanto esse povo é afetuoso, e principalmente bastante simples do jeito de viver, sem extravagâncias, sem roupas de marca, sem grosserias típicas das grandes cidades. A exceção fica por conta de uma outra cidade uruguaia, Punta del Este, enclave de riqueza e ostentação, assunto para outro post!

A economia uruguaia é extremamente dependente da pecuária bovina de corte, ou seja, da exportação de carne. Entretanto, a agricultura, a atividade portuária, e o turismos são atividades complementares. Com uma população de 3,4 milhões de pessoas, o Uruguai apresenta um IDH alto, 0,790 (o IDH do Brasil é 0,744), e uma taxa de analfabetismo de apenas 2%.

No próximo post falarei mais do nosso querido vizinho Uruguai!

Forte abraço!

Léo!

 

 

09
jan

“Cem dias entre o céu e o mar” – Dica de leitura do Léo

Fala, galera! Saudações geográficas!

 

Sem títuloPara começar bem o ano de 2015 escolhi escrever um pouco sobre um dos melhores livros que li nos últimos tempos: “Cem dias entre o céu e o mar”, de Amyr Klink. Comecei a ler esse livro despretensiosamente, mesmo já conhecendo um pouco a trajetória de vida de Klink. Para   aqueles que não o conhecem:

Nasce Amyr Khan Klink, em 25 de setembro de 1955, na cidade de São Paulo. É o primogênito dos quatro filhos de Jamil Klink e Asa Frieberg Klink. Aos dez anos de idade, em Paraty, compra sua primeira canoa, Max – foi o início de uma coleção que ultrapassaria 30 embarcações.

Em 1978, com 23 anos, faz sua primeira viagem internacional, de moto, até o Chile. Cinco anos depois, em 1983, termina a construção do seu primeiro barco: o I.A.T., com o qual, no ano seguinte, faria a primeira travessia solitária a remo do Atlântico Sul. A jornada de 3.700 milhas e 100 dias pelo Atlântico termina no dia 18 de setembro de 1984, na Bahia, e é retratada no best seller Cem Dias entre o Céu e o Mar.Livro

Em 1986 realiza a primeira de suas 15 viagens à Antártica. Na volta, começa a construção do Paratii. Com esse barco, em 1989, estreia como velejador em uma viagem em solitário que duraria 642 dias, passando sete meses e meio imóvel em uma invernagem antártica. Navega, ao todo, por 27 mil milhas – viagem descrita em Paratii, Entre Dois Pólos. […] ”

Disponível em: http://www.amyrklink.com.br/pt/biografia/

Cem dia entre o céu e o mar descreve a incrível travessia do oceano Atlântico a bordo de um canoa a remo, partindo da costa oeste africana da Namíbia, em um pequena cidade chamada Luderitz em direção a Salvador, na costa leste brasileira. A narrativa em primeira pessoa é fascinante, pois Amyr relata dia após dias os seus dilemas sozinho em pleno oceano.

Mapa

Do ponto de vista geográfico chama a atenção a descrição das correntes marítimas, de como elas foram usadas como instrumento de navegação, como também as técnicas de orientação, uma verdadeira aula de Astronomia e Cartografia.

barco

 

A leitura é cheia de adrenalina, como na descrição das ondas gigantes e principalmente da fauna encontrada no meio do caminho. Uma das situações que mais me chamaram a atenção foram os ataques de tubarões ao casco do barco, e o encontro com as baleias, sensacional! A sensibilidade do livro impressiona e vai além da mera descrição de  paisagens,  permite captar as reflexões  profundas sobre a vida, sobre a solitude, sobre o mundo. Abaixo trechos extraídos do livro:

 

“… para se chegar, onde quer que seja, aprendi que não é preciso dominar a força, mas a razão. É preciso, antes de mais nada, querer.”

 

“… não passei naqueles sete dias por um momento seque de monotonia, tristeza ou desespero. Pois nada é mais certo do que a chegada do bom tempo após um tempestade que parece interminável.”

 

“Ao se caminhar para um objetivo, sobretudo um grande e distante objetivo, as menores coisas se tornam fundamentais. Uma hora perdida é uma hora perdida, e quando não se tem um rumo definido é muito fácil perder horas, dias ou anos, sem se dar conta disso.”

 

Fica a dica de uma ótima e inspiradora leitura para começar 2015!

 

Forte abraço,

Léo!

 

http://sportv.globo.com/videos/sportv-news/t/ultimos/v/apos-30-anos-da-travessia-pelo-atlantico-amyr-klink-se-emociona-ao-relembrar-facanha/3617463/